07.11.2008 - CNF ao vivo. 

O mês de novembro marca mais uma conquista do estado de Minas Gerais. O Aeroporto Internacional Tancredo Neves passa a ter vôo nonstop para os Estados Unidos. Confira conosco mais essa cobertura!

American Airlines em Belo Horizonte
Muitos mineiros, sobretudo os de Belo Horizonte e região, se lembram do vôo diário da American Airlines entre 1995 e 2004. Era notável aquela aeronave prateada brilhando no finger ou em uma posição remota de Confins. Durante os quase 10 anos de operação a companhia operou mais de uma combinação. Começou com o até hoje lembrado, AA904/905 Miami - Rio de Janeiro - Belo Horizonte, operado por B767-300ER, e terminou com o AA962/963 Dallas - São Paulo - Belo Horizonte, operado por B777-200ER.

A saída da companhia em 2004 foi recebida com muita tristeza, afinal com tanto tempo de operação, ela já era um símbolo em Confins. O período que se seguiu foi de total carência e ao invés de escala, o público mineiro voltou a ser refém das conexões em São Paulo e Rio de Janeiro.

As ligações Minas-Estados Unidos

Num país onde a malha internacional é extremamente concentrada em São Paulo e Rio de Janeiro, nosso estado deve se orgulhar da história que tem com as ligações nesse trecho.

Por volta de 1995, quando o mercado estava mais aquecido, a capital mineira contava com duas americanas, a American e a United Airlines. Esta última inclusive chegou a operar Miami-Belo Horizonte nonstop, mas encerrou o serviço em 1996. Um dos motivos foi a reformulação das suas operações, que culminou no fechamento da base Miami e concentração das operações em Chicago e Washington.

A American então seguiu sozinha até 2000, quando a Continental Airlines passou a operar a rota Newark - Rio de Janeiro - Belo Horizonte com DC-10 e posteriormente B767-200/400. No ano seguinte, a aviação foi lamentavelmente sacudida pelo atentado ao World Trade Center e assim, a Continental encerrou sua operação por aqui. Em 2004 a American decidiu descontinuar seu vôo diário alegando que a extensão do vôo Dallas - São Paulo até Belo Horizonte encarecia demais a operação.

A expansão do bilateral e o processo de alocação

O grande problema das americanas no Brasil vinha sendo o acordo bilateral de reciprocidade. Resumidamente, trata-se de um documento que regula o número de freqüências semanais de passageiros e cargas entre dois países. No caso específico Brasil – EUA, as freqüências estavam esgotadas para o lado estadosunidense. Assim, as empresas norte-americanas não podiam expandir suas operações.

Há algum tempo já havia negociações para expansão do bilateral que permitisse aos americanos expandirem suas malhas para o nosso país. O projeto ganhou ainda mais força ao contar com o interesse dos estados, carentes de ligações diretas, e também do Ministério do Turismo e da Embratur. Sendo assim, houve o acordo entre os dois países, que elevou o limite para 105 freqüências semanais, distribuídas por “rodadas” em 2008, 2009 e 2010. Na primeira delas, em junho último, foram oferecidas 21 freqüências restritas às regiões norte, nordeste, centro oeste e a Belo Horizonte. Isso atendia ao interesse das companhias ao mesmo tempo em que impedia maior concentração em São Paulo, gerando um ganho muito maior para o país.

Com o biilateral revisado e as normas de distribuição estabelecidas, o órgão americano responsável pelas alocações de freqüências, Department of Transportation (DoT), abriu a fase para que as companhias protocolassem seus pedidos. Diferente do que muitos aguardavam, inicialmente pouco aconteceu. Apenas a empresa Spirit Airlines apresentou seu pedido: sete vôos no trecho Ft Lauderdale - Manaus, para operação em 2009. Nessa mesma fase, a American Airlines chegou a anunciar que não havia planos para expandir as operações no país. Declaração que não se confirmaria no último dia previsto para a entrada dos pedidos. Aos 45 minutos do segundo tempo, a American solicitou quatro freqüências semanais para Miami - Belo Horizonte e sete para Miami – Salvador – Recife – Miami. No mesmo dia, a Delta Airlines também fez seu pedido. Tratava-se de quatro freqüências para Atlanta - Belo Horizonte, sete para Atlanta - Manaus e quatro para Atlanta – Recife – Fortaleza - Atlanta.

Eram então 33 pedidos para 21 frequências e naturalmente algum deles seria negado. A Spirit, sendo recomendada a solicitar novamente em 2009, quando de fato pretendia operar, foi a primeira a ceder. O clima de expectativa ficou entre Delta e American e a solução para o não demorou a surgir. As companhias entraram num acordo e solicitaram, de forma conjunta, um pedido que somava as 21 possibilidades. A Delta abriu mão de Belo Horizonte e reduziu seu pedido de 15 para 11 vôos. A American reduziu uma dia na rota Miami-Belo Horizonte.

Sem maiores objeções, o DoT autorizou conforme o interesse das companhias. A Delta Airlines marcou o início dos novos vôos para a segunda quinzena de dezembro, enquanto a American colocou o dia 02 de novembro para Salvador e Recife (vôo circular) e o dia 04 do mesmo mês para Belo Horizonte. Uma grande mudança no desenho da malha internacional do país já estava com data marcada, soando como uma verdadeira alforria para os estados envolvidos.

AA991 Miami - Belo Horizonte

O horário previsto era 23:15 (02:15 no horário de Brasília). O B767-300ER de matrícula N383AN ocupava a posição E8 no terminal do Aeroporto Internacional de Miami. Às 23:10 o status da companhia informou a partida do AA991, adiantado cinco minutos. A decolagem ocorreu cerca de 15 minutos depois, dando início ao vôo de oito horas de duração até Belo Horizonte.

No Aeroporto Internacional Tancredo Neves, a movimentação era normal por volta das 8 da manhã. O painel já informava a previsão de chegada para às 10:20 e aparentemente, nada de novo aconteceria por ali. A American não fez grande alarde nos meios de comunicação. No rádio foi veiculada uma propaganda rápida e em alguns jornais era possível ver alguns anúncios. No saguão do aeroporto foi colocado um grande banner.
Às 09:45, a inconfundível voz do sistema automático de informação do aeroporto anuncia com sua entonação típica:
“American Airlines vôo ... 0 9 9 1 ... procedente de ... Miami ... hora confirmada de chegada ... 10 horas ... e ... 5 minutos”

Com pontualidade inglesa, o Boeing da americana mais famosa do mundo surge na final da pista 16 de Confins, tocando o solo mineiro às 10:02, adiantando-se em 18 minutos.





Para a surpresa de quem estava na escuta, o AA991 não chamou a torre. Já no solo ouviu-se o diálogo entre o comandante e o controlador dando conta de que houve falha nas comunicações. Assim, a autorização de pouso foi dada pelo controle Belo Horizonte, em coordenação com a Torre Confins. O taxi até a posição 09 foi feito pelas pistas de taxi Hotel, Alfa e Echo, onde os Bombeiros já estavam posicionados (e ensaiados) para a tradicional cortina d’água. A tripulação retribuiu estendendo a bandeira de Minas Gerais pela janela do cockpit da aeronave.









Do lado de dentro do terminal já estavam em andamento as ações de boas vindas promovidas pela Secretaria de Turismo de Minas Gerais (Setur-MG). Ao deixar o desembarque internacional, os passageiros eram recepcionados com a apresentação de um grupo folclórico de congado. Um deles foi o diretor de marketing e vendas da American no Brasil, Dilson Verçosa Júnior. A tripulação do vôo também foi bastante gentil, e se mostravam contentes em estar inaugurando uma nova base da companhia. Na seqüência seguiram outras apresentações musicais, inclusive com uma banda tocando alguns sucessos do pop rock nacional.




Dilson Verçosa Júnior, diretor comercial da American no Brasil, é recebido com festa.



Tripulação do primeiro AA991 Miami-Belo Horizonte.
Cerca de 1 hora após a chegada o N383AN foi rebocado para a posição remota.

AA992 Belo Horizonte-Miami

Retornamos à noite para acompanhar a primeira partida non stop para Miami. Novamente foram preparadas surpresas com dois grupos de dança e teatro que atraíram a atenção de quem aguardava o check-in. Também havia distribuição de panfletos sobre as novas ligações de Miami para o Brasil.




A movimentação se deu de forma tranqüila e organizada, apesar do espaço cada vez mais limitado no aeroporto. Por volta das 22:00, o B767-300ER, matrícula N383AN, foi rebocado para a posição 09. Cerca de meia hora depois a tripulação chegou e se dirigiu à aeronave.




Loja da American no saguão.

Às 23:20 o AA992 fez contato com o clearance e recebeu a cópia, saída Alba 1, transição Vurki, nível 340, limite da autorização BRS (Brasília).

Nesse momento o movimento era intenso, e cabe ressaltar aqui a necessidade de ampliações em Confins. Entre 23:00 e 23:30 foram contabilizadas 14 aeronaves simultaneamente num pátio que conta com 15 posições. Passado o tumulto, o jato americano iniciava seu push-back e acionamento na hora prevista.


O taxi foi feito via Echo e Alfa até a pista 16 e a autorização de decolagem foi logo concedida. Às 23:59, decolava o AA992, escrevendo mais uma página histórica do Aeroporto Internacional Tancredo Neves. Segundo as informações da companhia, o AA992 finalizou sua jornada em Miami no portão E33 às 04:39, 16 minutos antes do previsto.

Para encerrar, registramos nossa grande satisfação de ter volta a American Airlines na nossa capital. Nossos parabéns à companhia, à equipe da Infraero em Confins, aos membros do governo do estado, sobretudo a Setur-MG, grandes incentivadores do aeroporto. Que seja mais uma operação de sucesso!

© CNF ao vivo. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou parcial.

.

15 comentários:

ramon~bhz disse...

bastante movimentado o check-in..
agora o pátio com 14 acft tá realmente bombando!!!
vlw galera pelo texto e tb, pela cobertura noturna..
abçs

Matheus disse...

E aí pessoal, estive lá em CNF na inauguração e vi vcs. Foi maravilhoso ver a American novamente no nosso aeroporto!!! Sempre fui um entusiasta da aviação e lembro de meus momentos iniciais, ainda em 1997, na expectativa de ver a bela americana chegando. Estive tb naquele dia 08/09/2000 na inauguração do vôo Continental Airlines. Anos mais tarde tamanha foi minha felicidade quando embarquei no vôo AA950, GRU-JFK, em um B772. Bom pessoal, vida plena a American Airlines e todas as outras que venham a tocar nosso solo mineiro. Flw!!!

Rodrigo disse...

D+++++
valeu a pena esperar ehehehe pela cobertura.
Emocionante rever a AA em CNF.
E CNF cada vez mais pequeno.
Obrigado a todos que participaram dessa cobertura muito bom por sinal.
Sucesso a AA.
E sábado agora to la cedinho pra ver o AA pq não deu pra ir no 1º dia.

Abraços!

Vinicius disse...

Adorei esse retorno da american pra confins...
agora so queria saber quais serão os dias que o b767 estara lá, porque quero ir lá pra vê-lo e naum quero perder aviagem...r s rs

Vinicius disse...

Parabéns pela cobertura!

Matheus disse...

Vinicius, em princípio a American Airlines operará três frequências semanais, quarta, sexta e domingo, com horário de chegada previsto para às 10:20hs. Mas no võo inaugural no meu relócio eram 10:03hs quando o B767-323ER tocou o solo. Há a possibilidade de uma quarta frequência, que seria de direito da United mas que está inativada, vamos ver no que dá. Até!!!

Leandro Belga disse...

Pessoal, parabéns pela excelente cobertura. Fizeram um ótimo trabalho.
"American, welcome again!"

CNF ao vivo! disse...

Amigos, em nome de todos que ajudaram nessa matéria agradeço muito os elogios!!

Só completando o que o Matheus colocou, a American já confirmou o 4º vôo entre 22/12 e 26/01. Vai operar em CNF às segundas.

Grande abraço!

thiago disse...

estive ai em cnf no dia 5 um dia depois da inaugurasao da american fazendo o trecho confins congonhas pela ocean air na volta dia 9 pude ver o maravilhoso 767 com chegada antesdo previsto que era 10:20 maravilhoso aviao lindo lindo lindo com um pouso suave ...nunca fiz viajens internacionais aind pois tenho 16 anos espero em breve sair de confins nesse maravilhoso aviao prateado com emblema AMERICAN

Quero parabenizar a vcs aki do blog pela maravilhosa materia da american e nao so da american mas por toda materia que vcs fazem de confins todas ficam otimas parabens vcs aki do blog

CNF ao vivo! disse...

Obrigado!!! :)

Comandante Yuri disse...

Exelente materia, quero dar os meus parabens aos organizadores do site, e quero dizer que estive la no ultimo domingo, 7 de dezembro, e tive o privilegio de assistir essa chegada da torre de controle, é isso mesmo, eu estive la, com alguns alunos de PP e PC, em uma visita promovida pelo Aeroclube do Estado de Minas Gerais, localizado no Aerodromo de Carlos Prate, á Torre de Controle e ao APP! E é a coisa mais linda que existe nessa terra! pude aconpanhar sua chegada a Terminal BH pela tela do radar, e ver o seu pouso lá de cima, e, inclusive, escutar a conversa em inglês do piloto com o controlador de vôo, e quero tambem parabenizar a sargento Andreza e a todos os controladores que nos receberam neste domingo maravilhoso.

CNF ao vivo! disse...

Obrigado!!!

Mark disse...

Mais uma venho parabenizar pela excelente reportagem Diego e Igor!
É uma grande alegria para nós mineiros a volta da American para Confins! Ver aquele gigante prateado em nossa terra é algo indescritível! Felicito também à cia aérea pela abertura das rotas Recife e Salvador para Miami! Já era hora de descentralizar os voos internacionais do Rio e de São Paulo. Que outras cias aéreas e novas rotas brasileiras interligando nosso país a outros lugares, sejam implantados brevemente!
Grande abraço.

Pedro_01 disse...

Parabens pela cobertura, estarei em breve saindo de Miami e indo para a CAPITAL DO MUNDO BELO HORIZONTE.

Anônimo disse...

O servico da TAM, operado as TER, QUI e SAB, eh muito superior... !!!